3.7.14

Como se livrar de uma bronca, em uma lição.



Laís usa aparelho móvel. Ele serve na verdade, para inibir o hábito de chupar dedo. Ela faz isso desde o útero (juro, tenho uma ultra provando. um dia eu escaneio e publico aqui). Agora que os dentes definitivos estão crescendo, ele acaba servindo também meio que de “guia” pra os dentinhos crescerem já no lugar certo.  

É claro que ela já perdeu aparelho, já quebrou,amassou... De forma que já estamos na terceira geração.

Ontem cheguei do trabalho e ela começa a me cercar:

-“ Mamãe” exclama ela me dando um grande abraço. Abracei de volta, perguntei como foi o dia, ela me diz que foi bom e pergunta pelo meu. Digo que foi bom também. Até aí tudo normal, nada diferente do usual.

- Mas foi estressante?

- Estresse faz parte do meu trabalho filha. Tô um pouco preocupada com algumas coisas sim, tô  com um prazo apertado para começar a produzir a nova campanha ( gosto de contar um pouco pra ela se sentir participando) mas não foi um dia “daqueles” não. Respondi sorrindo.

Nesse ponto ela fez uma careta daquelas que a gente faz quando pensa “mas que droga”. Deu um suspiro fundo e começou a falar bem devagar e controladamente:

- Mãe, pensa em um castigo. Bem grande. De uma semana.

- “Castigo? Porque?” Perguntei já sabendo que tinha feito merda. Fato.

- “Pensa mãe.” Insistiu ela.

- O que vc fez?

- Não. Primeiro pensa num castigo e me fala.

- “Não.” Eu respondi engrossando o tom de voz:- O castigo vai depender do tamanho da besteira. Pode fazer o favor de me contar logo? Porque eu tô começando a ficar nervosa já.

- Mãe, eu te desobedeci. Eu comprei chiclete COM AÇÚCAR, e coloquei na boca e coloquei o aparelho e eu achei que ia conseguir tirar mas o aparelho tá todo melecado e grudento ainda porque eu não consegui tirar tudo. Desculpa, eu sei que eu fiz errado. Pode me colocar de castigo. Qual vai ser meu castigo?

- Mas você colocou o aparelho de propósito?

- Foi. Desculpa.

- Mas porque você fez isso? Você tá cansada de saber que não pode comer com o aparelho.

- Sei sim mãe. Desculpa. Você me desculpa?

- Posso pelo menos saber o que passou na sua cabeça pra você ter essa ideia de jerico?

- Bom, eu achei que se eu deixasse o chiclete grudado no meu aparelho no céu da boca, o gosto ia demorar mais pra sair, e eu ia poder comer chiclete na aula sem ninguém ver. 

Parei. Pensei. Conclui que a danada aprendeu beeem mais rápido que eu a se livrar da bronca assumindo a culpa. Achei graça, mas não podia transparecer. Não consegui chegar a um castigo que ela levasse a sério. Eu não levo muito a sério esse lance de castigo, ela sabe disso. Mas essa proeza mereceu e ela sabia disso. Estava esperando. 

- Ok. Seu castigo vai durar um mês então. Um mês sem comer uma mísera bala, nem chiclete, nem guloseima nenhuma!

- Nem um pé de moleque?

- NÃO!

- Nem uma paçoquinha?

- Não Laís! CAS-TI-GO.

- "Mas nem um bom-bom? Chocolate pode né mãe?" Disse ela em tom de “assim também já é demais”.

- Não. Se você se comportar, talvez. E trate de ficar muito satisfeita por eu não te deixar de castigo sem comer besteira até fazer 15 anos! 


E é dessa forma minha gente, encerrando a discussão com esse tipo de frase, que uma mãe perde completamente sua moral na hora de dar um castigo. Preciso me lembrar de parar com essa gracinha. 

Oi, eu sou um aparelho disciplinador!

Coé Cabeça!

Ela entrou numas de desenhar as bandeiras das seleções da copa. Daí no meio do caminho diz: o Japão tá na Copa? 
- Tá
-E a China? 
- Não. 
Aí criança diz: ... "ah, mas eu vou desenhar a bandeira da China assim mesmo!"
A mãe achando que ela está fazendo confusão com a bandeira do Japão pergunta:" e vc lá sabe como é a bandeira da China?"
- "Sei! É vermelha com uma estrela amarela na ponta cercada por quatro estrelinhas!" Diz ela triunfante.
- É vc sabe...
- Sou fraca não cabeça! :)

Não é fraca mesmo. Disso tenho certeza. 
Prestenção Cabeção!

30.5.14

Rapidinhas - diversidade

- Mãe! Vamos comer no Fronteiras hoje? 
- É Fronteira, filha. 
- É Fronteira, vamos comer lá mãe? 
- Hoje não dá, tô sem grana e o papai já tá fazendo almoço...
- Ah, por favor mãe! Eu gosto taaanto de comer lá...
- Gosta mesmo né filha? Porque você gosta tanto de comer lá? 
- Porque lá tem comidas diversificadas! 

(Não tá valendo a pena investir no vocabulário diversificado?)


Rapidinhas - overdose

- Mãe, o que é overdose?

- É quando a pessoa toma uma dose muito maior do que o necessário de alguma coisa. Tipo se vc toma uma overdose de remédio, vc pode morrer.

- E porque os heróis dele morrerem de overdose? Desde quando herói precisa de remédio?

Cazuza: tornando meu dia de sábado mais desafiador. Tks! #sqn

15.2.14

A girar, que maravilha....


Acordamos, conversamos e fomos abrir a porta da varanda. Surpresa com o tempo muito nublado com cara de que ia chover depois de sei lá quanto tempo sem uma gota, eu digo esperançosa:
- Será que finalmente chove?

- "Mãe, se chover, a gente pode se abraçar e ir dançar na chuva, como a gente fez lá em Laranjeiras?" Disse ela empolgada.

Rindo, abracei ela, segurei sua mão e comecei a dançar cantando:

- Lá fora está chovendo, mas assim mesmo eu vou correndo, só pra ver, o meu amor... Ela vem toda de branco, toda molhada linda e despenteada... 

E ela me interrompe, rindo:

-Mãe! Você que é meu amor! Você que tá de branco e toda despenteada!


Sempre que eu acho que não dá pra amar mais, vem a vida e me mostra que eu estava errada. Adoro!


PS: Sim, nós dançamos na chuva que caiu ontem, e sim: foi muito divertido!

Volta às Aulas


Era o primeiro dia do primeiro ano no colégio novo, depois de 5 anos na mesma escola, com a mesma turma.  A ansiedade por esse dia teve os dois meses de férias pra crescer.  Confesso que embora fingisse que não, também estava bem ansiosa. Como estava de férias, dispensei o transporte e resolvemos eu e o pai levá-la pra escola nesse dia tão importante.
Ela no carro tagarelava sem parar, perguntando a mim e ao pai como foi nosso primeiro dia de aula, como era na nossa escola, como eram os amigos...

Aí eu digo para animar:

- Filha é super normal ficar ansiosa no primeiro dia de aula, mas esse ano vai ser super legal, cheio de novidade: você vai ter vááários professores, vai ter aula de educação física, vai ter aula de ciências no laboratório!

- E eu vou precisar abrir barriga de sapo?

- Não sei, mas se sim, só quando você for mais velha, não vai ser esse ano não...

- E eu vou precisar usar aquele jacolé e óculos de cientista maluco??
- Não! Nem jaleco nem óculos! 


Muitos risos. E na volta a certeza de que esse será realmente um ano de muitas novidades.

 

30.12.13

Mãe, você é uma vaca.

Pra fechar 2013 com chave de ouro!
Estávamos a caminho do trabalho, eu e Laís. Sim, porque dia 30 é plantão, mega tranquilo, bom dia pra criança "brincar de trabalhar" com a mãe né?
No rádio do carro tocava Caetano, " esse papo seu tá qualquer coisa... vc já tá pra lá de Marakech..."

- Gosto dessa música mãe.
- É? Eu também, gosto muito do Caetano filha. Ele que canta aquela música do Leãozinho que você também gosta, e a sua música!
- Minha música? Qual?
- "Você é linda, mais que demais, vc me faz feliz..." Cantei. Ela riu.
- Eu gosto daquela parte que ele canta "sou o seu bezerro gritando mamãe."
- Sei... É porque você se identifica né, minha bezerra desmamada?
- É! (risos) O que é desmamada?
- E que não mama mais na mãe ué!
- Ah tá...
De repente, após um minuto de reflexão, ela diz assim cuidadosa, com medo de eu me zangar:
- Mãe... Mas se eu sou uma bezerra.... Você é uma vaca  né?

É. Claro que é. Durmam com um barulho desses senhoras e senhores.
E aproveito pra deixar aqui meu desejo de um 2014 repleto de realizações para todos! 
Pelo menos eu sou um vaca simpática e style!

22.11.13

Sobre o que é sagrado



A história começou com um pesadelo terrível, desses que entram pro “top 5” dos piores pesadelos da vida.  “Trairagem” do meu inconsciente, que deixou registrado bem no raso a última coisa que vi antes de dormir: um documentário super interessante sobre o Rio Gangues na Índia, e toda a vida que gira em torno dele. Em determinado momento, mostraram um povoado de 6 mil habitantes onde as cobras são consideradas sagradas, e por isso são tratadas com toda pompa e circunstância. Na Índia tem muito rato, onde tem muito rato tem muita cobra, logo as bichas vivem soltas no meio do povo que meio que não tá nem aí pra elas. A tal espécie “comadre” dos caras é uma tal de uma “não sei que de monóculo” venenosíssima, que gosta de viver nos arrozais, e é responsáveis por centenas de mortes todo ano. 

Abri a porta do quarto no intuito de ver se Laís estava coberta e vi num pânico congelante que ela dormia tranquilamente enquanto uma cobra em cima dela se preparava pra dar o bote. Fiquei aliviada quando percebi que, ao me ver, ela mudou de alvo e veio deslizando lentamente em minha direção.  Desci as escadas vendo que ela me seguia e quando cheguei no andar de baixo corri para atraí-la para fora. Para meu completo terror e espanto ao chegar no andar de baixo ela passou a se movimentar com a velocidade de um lince.  Corri em outra direção com intenção de subir em um lugar alto para fugir de seu ataque, mas só consegui dar um pulo desajeitado e me agarrar a uma pilastra. A cobra também pulou num estilo “Anaconda” que sinceramente, nessa hora eu podia ter desconfiado que só podia ser sonho, mas não. Senti uma quentura no dedo mindinho do pé e percebi que ela havia conseguido me morder e ficado agarrada no meu dedo.  Nesse momento eu sabia que, se em menos de 1 hora não estivesse em um hospital, eu morreria. E deixaria Laís. Tentando sem êxito controlar o pânico berrei por ajuda.  Apareceu meu irmão mais velho que tranquilamente tirou a cobra do meu dedo e a soltou rindo, como se eu estivesse fazendo drama à toa, exatamente como ele fazia nas ocasiões em que  eu tinha um faniquito quando um sapo ou um morcego entravam em casa. Eu dizia que era sério, que ele tinha que  chamar meu pai e minha mãe porque eu precisava de ajuda. Chorava e pensava desesperada em tudo que eu iria perder com minha filha se morresse quando finalmente acordei. 

No mesmo momento Laís se “materializou” em pé ao meu lado, fazendo um gesto com a mão pra que eu chegasse para o lado pra ela ficar “de chameguinho” comigo, como já é habitual dela. Cheguei para o lado e quando ela se deitou eu a abracei apertado, mas do que o habitual, o suficiente para ela me questionar aquele abraço: 

- Tá com saudade mãe? Perguntou sorrindo. 

Fiz que não com a cabeça. E acrescentei: - Tive um pesadelo horrível. Tô aliviada de ter acordado.

- Quer me contar? 

Contei, explicando pra ela inclusive o contexto anterior ao sonho. Ela ouviu tudo com atenção e no fim acariciou meu  rosto e meu cabelo, me deu um beijinho de leve e disse: “- Passou tá? Foi só um sonho mãe, acabou.” Como eu faria com ela.  E me abraçou com delicadeza, me fazendo cafuné. Eu dei um beijo agradecido na sua testa e a soltei um pouco. Ficamos as duas lado a lado de barriga pra cima e mãos dadas olhando pro teto por uns instantes, de repente ainda olhando pro teto ela pergunta: 

- Mãe, o que é sagrado? 

- O que é sagrado... O que é sagrado... Sagrado, deixa eu ver... Deixa eu pensar em como te explicar...

Como explicar pra uma menina de 7 anos o que é sagrado? Depois de mais uns instantes mirando o teto, tentei: 

- Sagrado filha, é tudo que é mais importante pra gente. Por exemplo, lá na Índia a vaca é considerada sagrada e por isso ninguém pode matar a vaca pra comer, porque ela é um presente de Deus e a gente jamais mataria um presente né? Sagrado é tudo que a gente considera um presente de Deus pra gente. Entendeu? 

Ela fez que sim com a cabeça, me abraçou de novo e disse: - Entendi. Você é sagrada pra mim mamãe. Você e o papai. Muito, muito sagrados. O que eu tenho de mais sagrado.  

 E esse amor é o que eu tenho de mais sagrado no mundo. 

Manasa: deusa hindu das cobras, adorada principalmente para a prevenção e cura de picada de cobra e também para a fertilidade e prosperidade.