10.10.14

Rapidinha - Fair Flay

Ela está na semana da criança, também conhecida como “semana do saco cheio”. Nessa semana não tem aula, só olimpíadas.

Pela primeira vez ela ficou empolgada com a competição. Combinou maquiagem da cor da bandeira com as amigas ( levei horas convencendo que não se usa maquiagem pra jogar, aff!), aprendeu gritos de torcida, criou coreografia, fez cartazes...

Hoje ela veio toda empolgada me mostrar o cartaz que fez, onde se lia: Torcida Fair Play ( fair play escrito assim certinho viu gente?)

Perguntei:

- E você Sabe o que é Fair?

- Sei!

- E o que é?

- É assim mãe: por exemplo, se um menino está jogando futebol e sem querer derruba o outro, ao invés de ele levantar a mão como quem diz “não fiz nada”( essa parte ela contou fazendo o gesto é claro) ele vai lá e ajuda o que caiu levantar. Entendeu?

- Entendi. Você realmente sabe o que é fair play. Muito bem!  

Cara de dããã pra mãe, seguido do já tradicional “sou fraca não, cabeça!” ;)

24.9.14

Rapidinha: Chulé

Criança falando errado é muito bonitinho né?
Laís começou recentemente na capoeira e vive cheia de dor. Daí vem ela toda melosa na hora de dormir:
-Mãããããããeeeeee.... Faz uma massaginha no meu pezinho que tá doendo muuuuito?
- Dá esse pé pra cá!

Peguei, cherei e fiz cara feia como se ela estivesse com chulé, dizendo:
- Cruzes! Parece até queijo!
E ela imediatamente se defendendo:
- Mas o papai tem um "zorgongola" pior que o meu!
:)
ATENÇÃO: FAVOR DEIXAR SEU ZORGONGOLA DO LADO DE FORA. OBRIGADA.

14.9.14

Ela

Ela gosta de ler. Lê gibi, livrinho, e até meus sms.

Ela ama pipoca. Aliás, ela adora quase tudo com milho. E com amendoim. Ela é doida por paçoca, pé de moleque e prefere cajuzinho a brigadeiro.

Ela é inteligente. Nem estuda muito, mas só tira notão nas provas.  Tem facilidade com cálculo, o que me deixa bem aliviada. Eu sempre tive uma dificuldade monstra com números.

Ela gosta de dançar. E de representar. E adora fabricar brinquedos. Recentemente fez um “spa” para as Pollys e um bercinho pra Clarinha, sua boneca preferida desde sempre, a quem ela chama de irmã caçula.

Ela sabe que homem pode casar com homem e mulher com mulher, e acha que isso não tem problema nenhum. E acha negro uma cor linda. Sempre admirou a cor da pele da “nega” a babá- madrinha que ela tanto ama.

Ela adora bichos e é louca pra ter uma gata. E um peixe. E uma calopsita. E um ratinho. E uma tartaruga.

Ela é a única criança que conheço ( talvez a única no mundo, eu diria até do universo inteiro)  que gosta de frozen yogurt  de chá verde, e que come purê de inhame gelado de café da manhã.

Ela gosta de cozinhar e gosta de ver Disney Channel, mas adora ver programa de culinária comigo no GNT. Ela faz um brownie e um bolo de banana deliciosos. E quibe de forno também. Os bolos fui eu que ensinei, mas o dela fica mais gostoso que o meu. O quibe ela aprendeu na escola.

Ela é vaidosa. Adora o próprio cabelo (que é lindo mesmo) e adora uma maquiagem. É uma dificuldade controlar. Eu tenho 5 batons. Ela tem 13. Mas é solidária. Já cortou esse cabelo que ela tanto ama por iniciativa própria, pra doar pra fazer perucas pra crianças em tratamento de câncer. Porque afinal, “cabelo cresce né mãe?” É. Claro que é.

Ela adora os amigos, e é extremamente carinhosa com todos eles. Beija, abraça e até pega no colo. Aliás, ela é carinhosa com todo mundo. Nunca nega um beijinho ou um abraço a quem pede. Desde miudinha é assim.  

Ela gosta de desenhar e de brincar de boneca. Atualmente ela coleciona monsters high.

Ela faz gato e sapato do pai. Os dois tem brigas de gente grande. Tudo porque são muito parecidos. Ela briga com ele repetindo as frases dele, e ele nem se dá conta.  

Ela é doida pela avó. E a avó é completamente louca por ela. Se desmancha inteira, como nunca vi fazer com nenhum dos 4 filhos, eu inclusive. Neta única. Diz ela que tem até medo de ter mais um neto porque não sabe se vai gostar do outro tanto assim...

Ela é intensa, ela é alegre, ela é muito gaiata e como fala... Tagarela toda vida, desde que aprendeu a falar (que foi antes de andar).  Na hora de dormir ela já espera a hora que eu digo (e eu sempre digo): agora cala a boquinha e dorme". Esse é o sinal que agora chega mesmo. Ela é muito expressiva. Vive fazendo caras e bocas. E mãos também. Dizem que “puxou” de mim essa teatralidade toda. Será?

Ela herdou o meu nariz, o porte físico do pai, o cabelo da Gisele Bünchen (muito embora ela não seja parente nem distante) e a simpatia é toda dela mesmo. A teimosia é herança da vó. E do vô. E do pai. Eu não tenho absolutamente nada com isso.

Ela compõe músicas e logo em seguida as esquece, igual ao pai. Mas tem uma ótima memória para letra de música igual a mim ( desde que não seja composição dela, claro) e adora me ouvir cantar. 

Ela não é tudo que eu pedi a Deus porque eu não tive corarem de pedir tanto: eu pedi só saúde, o resto veio de bônus. O cara lá de cima deve me ter em boa conta.

Ela é meu leme, meu norte, meu rumo. Ela faz com que meus dias sejam mais bonitos, e que minha vida tenha mais sentido. Ela me dá forças e me faz querem ser uma pessoa melhor a cada dia.

Hoje ela faz 8 anos. E não para de me admirar de me surpreender e me fazer amar cada dia mais.  Sendo tudo isso que ela é. E sendo simplesmente a minha flor.

1.8.14

Questão de Lógica

Cheguei do trabalho e perguntei pela neném (sim nós chamamos ela de neném até hoje. Go ahead, nos julguem).  O pai me conta o seguinte diálogo:
-Pai, posso tomar banho de banheira?
- Não.
- Porque não?
- Porque vai gastar muita água. Amanhã você toma.
Ela foi pro quarto. Ligou a tv, brincou e daqui há um pouco voltou:
- Pai, questão de lógica: se eu tomar banho hoje eu vou gastar água. Se eu tomar amanhã, vou gastar igual. Que diferença faz se eu vou tomar banho de banheira hoje ou amanhã?

Touché!


3.7.14

Como se livrar de uma bronca, em uma lição.



Laís usa aparelho móvel. Ele serve na verdade, para inibir o hábito de chupar dedo. Ela faz isso desde o útero (juro, tenho uma ultra provando. um dia eu escaneio e publico aqui). Agora que os dentes definitivos estão crescendo, ele acaba servindo também meio que de “guia” pra os dentinhos crescerem já no lugar certo.  

É claro que ela já perdeu aparelho, já quebrou,amassou... De forma que já estamos na terceira geração.

Ontem cheguei do trabalho e ela começa a me cercar:

-“ Mamãe” exclama ela me dando um grande abraço. Abracei de volta, perguntei como foi o dia, ela me diz que foi bom e pergunta pelo meu. Digo que foi bom também. Até aí tudo normal, nada diferente do usual.

- Mas foi estressante?

- Estresse faz parte do meu trabalho filha. Tô um pouco preocupada com algumas coisas sim, tô  com um prazo apertado para começar a produzir a nova campanha ( gosto de contar um pouco pra ela se sentir participando) mas não foi um dia “daqueles” não. Respondi sorrindo.

Nesse ponto ela fez uma careta daquelas que a gente faz quando pensa “mas que droga”. Deu um suspiro fundo e começou a falar bem devagar e controladamente:

- Mãe, pensa em um castigo. Bem grande. De uma semana.

- “Castigo? Porque?” Perguntei já sabendo que tinha feito merda. Fato.

- “Pensa mãe.” Insistiu ela.

- O que vc fez?

- Não. Primeiro pensa num castigo e me fala.

- “Não.” Eu respondi engrossando o tom de voz:- O castigo vai depender do tamanho da besteira. Pode fazer o favor de me contar logo? Porque eu tô começando a ficar nervosa já.

- Mãe, eu te desobedeci. Eu comprei chiclete COM AÇÚCAR, e coloquei na boca e coloquei o aparelho e eu achei que ia conseguir tirar mas o aparelho tá todo melecado e grudento ainda porque eu não consegui tirar tudo. Desculpa, eu sei que eu fiz errado. Pode me colocar de castigo. Qual vai ser meu castigo?

- Mas você colocou o aparelho de propósito?

- Foi. Desculpa.

- Mas porque você fez isso? Você tá cansada de saber que não pode comer com o aparelho.

- Sei sim mãe. Desculpa. Você me desculpa?

- Posso pelo menos saber o que passou na sua cabeça pra você ter essa ideia de jerico?

- Bom, eu achei que se eu deixasse o chiclete grudado no meu aparelho no céu da boca, o gosto ia demorar mais pra sair, e eu ia poder comer chiclete na aula sem ninguém ver. 

Parei. Pensei. Conclui que a danada aprendeu beeem mais rápido que eu a se livrar da bronca assumindo a culpa. Achei graça, mas não podia transparecer. Não consegui chegar a um castigo que ela levasse a sério. Eu não levo muito a sério esse lance de castigo, ela sabe disso. Mas essa proeza mereceu e ela sabia disso. Estava esperando. 

- Ok. Seu castigo vai durar um mês então. Um mês sem comer uma mísera bala, nem chiclete, nem guloseima nenhuma!

- Nem um pé de moleque?

- NÃO!

- Nem uma paçoquinha?

- Não Laís! CAS-TI-GO.

- "Mas nem um bom-bom? Chocolate pode né mãe?" Disse ela em tom de “assim também já é demais”.

- Não. Se você se comportar, talvez. E trate de ficar muito satisfeita por eu não te deixar de castigo sem comer besteira até fazer 15 anos! 


E é dessa forma minha gente, encerrando a discussão com esse tipo de frase, que uma mãe perde completamente sua moral na hora de dar um castigo. Preciso me lembrar de parar com essa gracinha. 

Oi, eu sou um aparelho disciplinador!

Coé Cabeça!

Ela entrou numas de desenhar as bandeiras das seleções da copa. Daí no meio do caminho diz: o Japão tá na Copa? 
- Tá
-E a China? 
- Não. 
Aí criança diz: ... "ah, mas eu vou desenhar a bandeira da China assim mesmo!"
A mãe achando que ela está fazendo confusão com a bandeira do Japão pergunta:" e vc lá sabe como é a bandeira da China?"
- "Sei! É vermelha com uma estrela amarela na ponta cercada por quatro estrelinhas!" Diz ela triunfante.
- É vc sabe...
- Sou fraca não cabeça! :)

Não é fraca mesmo. Disso tenho certeza. 
Prestenção Cabeção!

30.5.14

Rapidinha - diversidade

- Mãe! Vamos comer no Fronteiras hoje? 
- É Fronteira, filha. 
- É Fronteira, vamos comer lá mãe? 
- Hoje não dá, tô sem grana e o papai já tá fazendo almoço...
- Ah, por favor mãe! Eu gosto taaanto de comer lá...
- Gosta mesmo né filha? Porque você gosta tanto de comer lá? 
- Porque lá tem comidas diversificadas! 

(Não tá valendo a pena investir no vocabulário diversificado?)


Rapidinha - overdose

- Mãe, o que é overdose?

- É quando a pessoa toma uma dose muito maior do que o necessário de alguma coisa. Tipo se vc toma uma overdose de remédio, vc pode morrer.

- E porque os heróis dele morrerem de overdose? Desde quando herói precisa de remédio?

Cazuza: tornando meu dia de sábado mais desafiador. Tks! #sqn