2.9.10

Para Su, com afeto.

Para as minhas 4 leitoras (mamãe, minha comadre e minhas duas melhores amigas) , que não sabem  a quem me refiro no título do post, Suzany é minha quinta leitora. Uma cearense muitíssimo carinhosa, que um dia por acaso achou meu diário (ok, ok, meu “mensário”, vá lá) e como não poderia deixar de ser, se apaixonou por Laís (o que? Vcs acharam que eu ia ter a cara de pau de dizer que ela se apaixonou pelo meu estilo literário? Não queridas, ainda não bati tão forte com a cabeça).

Toda vez que dou aquela minha “desaparecida básica” do blog, ela deixa recadinhos saudosos no meu Orkut, querendo saber como anda Laís.

Esse up-date é pra você Su.


Dia 14 Laís completa 4 anos. Eu ando muito satisfeita de ver que, modéstia a parte, fizemos um bom trabalho até aqui (eu principalmente, e minha equipe de apoio: o pai, a avó e a escola. hahaha).

Pra você ter uma idéia, domingo passado eu queria muito ver a reportagem do Fantástico sobre os mineiros presos no Chile, mas ela ainda estava acordada e queria ver desenho. Aí eu contei pra ela o que tinha acontecido e conforme víamos a reportagem, ela me ia me perguntando e eu explicando a situação para ela.

Na quarta-feira  seguinte, ela achou a cabeça de um santinho da avó que tinha quebrado e falou:

- “Olha mamãe! É a cabeça do papai do céu.”
- É mesmo. Quebrou né? Deixa aí pra vovó consertar depois...

Ela disse “ pelai”, olhou pra cabecinha na mão dela e rezou: “Papai do céu obigada pela minha família, meus amigos, minha saúde, minha escola e poteje os meninos pesos na caverna.”  Deu um beijinho na cabeça e colocou no lugar. Fiquei mais emocionada do que na minha primeira festa de Dia das mães.

Tem sido um exercício interessante compreender que Laís não é uma extensão minha. Nem do pai. Nos imita em várias coisas, é fato, e tem um isso e um aquilo de um e de outro, mas ela já tem as preferências, vontades, virtudes e defeitos que são só dela, não herdou de ninguém.

Ela continua adorando cor de rosa e detesta vestir azul marinho, como eu. Pro meu total desespero e incompreensão ela acorda quase sem fome (igual ao pai) e se recusa terminantemente a tomar um toddy (eu não vivo sem toddy. Se acabar o toddy na terra será o fim dos meus dias). Ando desconfiada, aliás, que ela não curte muito tomar leite. Nem gosta muito de queijo de uma forma geral e detesta requeijão (também pra minha total incompreensão). Com exceção da mussarela da pizza e do parmesão no macarrão. De iogurte ela gosta também.

Detesta dias de chuva e chega a chorar quando acorda e vê que não tem sol. E detesta casaco e calça comprida. Mantê-la calçada então, é uma tarefa hercúlea, até no restaurante a primeira coisa que faz depois de se sentar é jogar os sapatos pra longe.

Ela é bem pouco competitiva, como eu. Se alguém propõe algo como “quem acabar primeiro ganha” ela é a primeira a dizer: “ - Ó, não quelo binca disso não, tá?”. Em compensação é muitíssimo determinada. Dia desses, ela estava tentando estalar os dedos e ficou frustrada por não conseguir. Eu (essa pateta que vos escreve) disse pra ela não ficar triste porque era difícil mesmo e ela ainda era muito pequena pra aprender a estalar os dedos. Ela me ignorou solenemente (thanks God!) e uma semana depois estalava serelepe os dedinhos, inclusive com a mão esquerda, coisa que essa mesma pateta não consegue fazer até hoje.

Lição do dia: nunca, mais nunca mesmo, diga a seu filho que algo é difícil demais pra ele fazer.

Ela é uma menina muito carinhosa e meiga e diz pras pessoas que ama as mesmas coisas lindas que ela ouve de nós. De repente, do nada , me olha de touca de banho com cara de sono e roupão de banho e diz: “Mamãe, você é tãããão linda!”  E ainda faz cara de apaixonada. Eu me esforço um monte para só agradecer sem cair na risada. Mas ela é um pouco manipuladora também. Gosta de fazer um charminho pra conseguir o que quer. O pai então, coitado, sofre na mão dela. Fico muito impressionada de perceber como ela já sabe direitinho como fazê-lo sofrer, ou fazê-lo ceder (confesso que nessa parte eu ajudo um pouco. Shame on me). Ela é muito bagunçeira e presepeira. Adora ficar fazendo danças esquisitas e caretas na frente do espelho. Gaiata a senhorita, muito gaiatinha, mas isso ela puxou do pai (eu sou uma pessoa discretíssima...).

Eu já tenho 3 “netos” Clarinha, Chiquinho e Alice. E ela é uma “mãe” muito atenciosa e carinhosa. Adora brincar de mãe e filha, e eu claro, sou sempre a filha. Esse exercício é muito interessante. Posso reproduzir suas atitudes e ver como, na interpretação dela, eu lido com elas. Eu sei exatamente como ela me vê: ela me acha uma mãe muito carinhosa e muito braba. E ela tá certa. Eu sou isso aí mesmo.

Fala pelos cotovelos (assim como o pai e a avó. Eu, sou uma pessoa muito reservada...) e inclusive, dormindo. Desconfio inclusive que ela fala outra língua enquanto dorme. Acho que é árabe.

Entrou no ballet no mês passado e pra minha surpresa está amando (achei que ela ia achar o ballet um saco e ia pedir pra mudar pra capoeira na primeira semana) e cada vez que veste aquela roupinha de bailarina ficamos eu e o pai babando.

Quase 4 anos, como você pode ver , muito bem vividos até aqui. Agradeço todos os dias por esse presente que a vida me deu, e peço apenas saúde para poder continuar ensinando e aprendendo, e me encantando com a minha filha.

E agora vou  voltar pro ninho, que essa corujinha aqui até cansou de tanto voar!

Um comentário:

Susany disse...

Fiquei tão emocionada...
Tô até sem palavras!!! rsrsrs

Obrigada pelo carinho e por este post belíssimo me atualizando sobre essa princesa linda e encatadora que é a Laís...

Me apaixonei por ela mesmo, com certeza!!!
Mas... Tb gosto do seu estilo literário, tá?? rsrsrs

Obrigada pelo carinho! De coração...

Beijos bem grande!!!